O SEU PORTAL NA BAHIA

Notícias Política

‘Conceito de democracia é relativo’, diz Lula sobre ditadura e eleições na Venezuela

Petista voltou a amenizar as denúncias contra Maduro e falou disse que foi errado os países terem reconhecido o opositor Juan Guaidó como presidente: ‘Se a moda pega

‘Conceito de democracia é relativo’, diz Lula sobre ditadura e eleições na Venezuela
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) volta a defender a ditadura na Venezuela nesta quinta-feira, 29, durante entrevista à ‘Rádio Gaúcha’. Questionado sobre o porquê a ele e seu governo tem dificuldade de considerar que a Venezuela é uma ditadura, ele respondeu: “A Venezuela, ela tem mais eleições que o Brasil. O conceito de democracia é relativo para você e para mim. Eu gosto da democracia porque ela me fez chegar à Presidência da República pela terceira vez, e é por isso que gosto da democracia e a exerço em sua plenitude”, afirmou Lula, acrescentando que seu partido é um exemplo de democracia. Com objetivo de se distanciar das críticas contra a Venezuela, o petista disse: “o que não está certo é a interferência de um país dentro de outro” e que o que parte do mundo fez, elegendo Juan Guaidó como presidente, sem que ele tivesse sido eleito, foi errado. “As pessoas têm de aprender a respeitar o resultado das eleições. Se a moda pega, não tem mais garantia da democracia e não tem mais garantia no mandato das pessoas”, declarou, acrescentando que “quem quiser derrotar o Maduro, derrote nas próximas eleições e assuma o poder. Vamos lá fiscalizar. Se não tiver eleição honesta, a gente fala”, disse Lula, que também informou que vai conversar com o ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, sobre a perseguição de seu regime a Igreja católica. “Temos um problema na Nicarágua. Vou conversar com o presidente, porque tenho relação para conversar, tem que resolver os problemas com a igreja. Mas cada país toca o seu destino”, disse.

Essa não é a primeira vez que ele defende Maduro. No mês passado, quando recebeu o venezuelano em Brasília, o petista havia dito que a ditadura na Venezuela era uma questão de narrativa, comentário que repercutiu entre os países aliados que o criticaram duramente, inclusive durante o encontro que estava sendo realizado. O líder chileno de esquerda, Gabriel Boric e o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, se posicionaram contra a fala de Lula. Na terça-feira, 27, o Tribunal Penal Internacional (TPI) autorizou que seu procurador retome as investigações sobre supostos crimes contra a humanidade cometidos na Venezuela pelo governo de Maduro. O chefe de Estado do Brasil disse ter cobrado Maduro sobre o pagamento da dívida com o Brasil e disse que tanto a Venezuela como Cuba são bons pagadores e que vão ser capazes de pagar a dívida, e que só não foi quitado ainda por causa do governo anterior. “Conversei com Maduro, falei que é preciso acertar o pagamento da dívida e ele vai acertar, Cuba vai acertar porque todos são bons pagadores”, disse, acrescentando. “É verdade que a Venezuela não pagou. O governo brasileiro fechou as portas, foram praticamente quatro anos sem relação”, declarou.

FONTE/CRÉDITOS: Jovem pan news
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!