O SEU PORTAL NA BAHIA

Notícias Cultura

A Inspiração de "Maria, Maria": A História de Carminha e o Legado de Milton Nascimento

Apesar de uma vida repleta de lutas, a tuberculose acabou vitimando Carminha em 1944, quando tinha apenas 26 anos.

A Inspiração de
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

No ano de 1918, nasceu Maria do Carmo, uma mulher negra e pobre, na região de Minas Gerais, Brasil. Ela ganhou o apelido de Carminha e tornou-se um símbolo de força e superação.

A história de Carminha, cujos olhos castanhos se fechavam ao cantar as canções de Ataulfo Alves, é uma narrativa de resiliência e determinação. Apesar das dificuldades, Carminha migrou para o Rio de Janeiro em busca de oportunidades após completar o básico do ensino ofertado aos pobres.

Em 1939, aos 21 anos, Carminha encontrou trabalho lavando roupas e cozinhando para famílias cariocas. Sua vida começou a mudar quando ela conseguiu um emprego "de carteira assinada" em uma pensão na rua Conde de Bomfim, na Tijuca, cuja dona era Dona Augusta de Jesus Pitta.

Em 1942, nasceu o amor da vida de Carminha, o motorista de bonde João, com quem ela se casou mesmo enfrentando as convenções machistas da época. A gravidez de Carminha trouxe desafios, mas ela continuou trabalhando com determinação, até que seu bebê nasceu na casa de Dona Augusta. 

Apesar de uma vida repleta de lutas, a tuberculose acabou vitimando Carminha em 1944, quando tinha apenas 26 anos. Seu sacrifício para proteger seu filho foi evidente quando ela o entregou a Dona Augusta para garantir sua saúde.

Mas o legado de Carminha não parou por aí. Lília Silva Campos, filha de Dona Augusta, estudante de piano, tomou a iniciativa de adotar o filho de Carminha, o pequeno menino que ela amava. O menino, cujos olhos eram uma lembrança constante da mãe Maria, cresceu sob o amor e cuidado de Lília, na cidade mineira de Três Pontas.

Esse filho adotivo, que também herdou o amor pela música, tornou-se um ícone da música brasileira. O nome dele é Milton Nascimento, carinhosamente chamado de Bituca. Sua voz e composições tocaram corações em todo o país e além.

Portanto, ao ouvir a canção "Maria, Maria" de Milton Nascimento, somos lembrados da história por trás da música. Ela não apenas celebra a força e o amor de Carminha, mas também a perseverança e o impacto cultural de seu filho adotivo, Milton Nascimento. A canção captura a essência da luta, resiliência e alegria que permeiam a vida dessas figuras notáveis, transformando "Maria" em um som, uma cor e um símbolo de superação.

Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!