Esquema teria forçado Fasano a firmar acordo milionário para manter projeto em Trancoso

O empreendimento da rede Fasano em Trancoso, distrito de Porto Seguro, ainda não está aberto, e tem previsão de inauguração no Réveillon deste ano.

Um dos principais destinos turísticos do estado, o município de Porto Seguro enfrentaria um esquema de grilagem de terras “nos mesmos moldes” do que é investigado pela Operação Faroeste, no oeste baiano, inclusive “com prática de diversos crimes”. A informação consta na delação de Vasco Rusciolelli, filho da desembargadora Sandra Inês Rusciolelli, homologada em junho deste ano pelo ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

De acordo com o documento obtido pelo Bahia Notícias, Rusciolelli acusa o advogado Thiago Phileto de ser um dos operadores da Faroeste e de atuar em algumas ações possessórias na Comarca de Porto Seguro. O texto cita um caso em que a Justiça deferiu um pedido de reintegração de posse de terras. A incorporadora Bahia Beach, parte adversa, manejou então um agravo de instrumento, que coube à 4ª Câmara Cível.

“Nesse momento, ingressou na empreitada Rafael Duarte de Castro – operador, também conhecido pelo perfil de esbanjar carrões de mais de R$ 400 mil -, que conseguiu a manutenção da decisão de piso, em razão do seu lobby, no caso em que a sua mãe, Gardenia Pereira Duarte, era relatora do feito. O esquema suspendeu a venda de lotes do empreendimento Fasano, que foi levado a firmar acordo milionário, poucos dias depois, com o grupo, para prosseguir o empreendimento. Portanto, o mesmo modus operandi dos demais esquemas de grilagem ocorridos na Bahia”, aponta a delação.

O documento frisa que o colaborador não tem conhecimento se houve participação efetiva da desembargadora Gardênia Duarte, mas aponta que o filho da magistrada, Rafael, operava em outros processos no gabinete da mãe, “negociando decisões, inclusive, com a participação efetiva de Julio Cavalcante”.

RESERVA TRANCOSO

O empreendimento da rede Fasano em Trancoso, distrito de Porto Seguro, ainda não está aberto, e tem previsão de inauguração no Réveillon deste ano. Além do hotel com 40 bangalôs, o projeto contempla 19 estâncias e 23 villas residenciais em uma área de 500 metros de frente para o mar.

Fonte: Bahia Notícias

Share