Bahia conquista mais um indicador negativo

Segundo a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Náglia Brito, a Bahia já contabiliza cerca de 70 casos de feminicídio este ano.

A edição mais recente do Atlas da Violência apresenta a Bahia como o terceiro mais violento para as mulheres no Brasil. Capitão Alden, defensor das pautas pro-armamentista e instrutor de armamento e tiro, lamentou os números e afirmou que o Governo do Estado deveria se importar mais com a Segurança Pública.

Segundo a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Náglia Brito, a Bahia já contabiliza cerca de 70 casos de feminicídio este ano. No ano passado, segundo os dados oficiais, foram 113 durante todo o ano.

“Sou defensor da defesa pessoal, tiro de defesa e noções de sobrevivência urbana para mulheres vítimas de violência. Sugeri também ao governador Rui Costa a criação de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher, a Deam. Os casos e números da violência contra mulher assustam. É preciso agir na Segurança Pública para que vidas sejam poupadas”, disse Capitão Alden.

Alden também indicou que o governador “saísse da propaganda” e atuasse com políticas públicas para melhorar a situação da Segurança Pública no estado. “O governador deveria sair da propaganda, do discurso de ódio contra o Governo Federal e agir. Esperamos políticas públicas para a área de Segurança Pública há 16 aqui no estado e os governos petistas fingem que está tudo bem, enquanto os números mostram a realidade. A cada dia o noticiário mostra que Rui Costa vem colecionando títulos negativos no setor”, completou.

Share